Cadê os Fiscais da Prefeitura de São Paulo na Arena Corinthians – Itaquerão???

Procurei por fotos e textos que remetessem à notícia divulgada por alguns sites, sob o título “só evangélicos furam bloqueio da Arena Corinthians”, dando conta de dezenas de fiscais

O que encontrei foi sempre o mesmo texto e uma foto repetidos inúmeras vezes. Transcrevo:

O esquema de segurança para a abertura da Copa do Mundo próximo à Itaquera impedia quem não tinha ingresso ou credencial de chegar perto da Arena do Corinthians na manhã desta quinta-feira.

Vários cordões de policiais faziam a triagem, e dezena de fiscais da Prefeitura paulistana impediam o trabalho de vendedores ambulantes.

Mas um grupo conseguiu furar o bloqueio, e não eram incomodados pelas forças de segurança e fiscais. Eram representantes de duas igrejas evangélicas, uniformizados e distribuindo material promocional.

A Assembleia de Deus no Leblon alternou pregação religiosa com uma tabela da Copa do Mundo. A União Presbiteriana de Homens imprimiu um pequeno caderno em que aparece o nome oficial da competição (Copa do Mundo Fifa) e ainda a marca do movimento Atletas de Cristo

Foto Tabela de Jogos

E aí, fui conversar com os Fiscais de São Paulo (Agentes Vistores), descobri que eles também estão procurando os tais Fiscais que estavam trabalhando. E ninguém tem foto dos panfleteiros, do material sob apreensão ou dos Fiscais trabalhando, embora eles tenham comparecido às dezenas.

De duas, uma. Ou a FIFA abafou o caso, o que duvido. Ou o pessoal que fez a apreensão não pode ser fotografado. Será que são mesmo Agentes Vistores/ Fiscais???

Bem, como polemizar não interessa a ninguém, fica aqui o texto que recebi do Luís Barnabé (1), uma contribuição para uma São Paulo melhor, sem mentiras:

NON DVCOR, DVCO.

Milhões foram gastos pela Prefeitura de São Paulo(http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:http://www.salvesalve.xpg.com.br/e%2520preciso%2520saber%25203.html) para a implantação do Sistema de Agendamento da Fiscalização-SGF. As mais de 700(setecentas) leis de posturas deixariam de ser um pesadelo para os principais encarregados de sua aplicação: os agentes vistores. Estes, porém, não foram consultados durante a elaboração do sistema. Resultado: FIASCO. O atual governo insiste em manter na condução do projeto o Engenheiro já declarado(pelo SAVIM) inimigo número um da categoria dos agentes vistores(e por que não declará-lo inimigo do povo). Os agentes vistores são unanimemente favoráveis à modernização da fiscalização. Então qual o problema ? O problema é que o prefeito desconhece completamente a fiscalização. Para ele o objetivo do SGF é colocar um sino no pescoço de cada agente vistor. Essa é a informação que chega a ele através do condutor do programa-que também o faz crer que os agentes vistores são contra a modernização da fiscalização. Como podem os agentes vistores serem contra algo que simplificaria em demasia o seu trabalho ? Eles não são contra a modernização. São contra a negociata. Também são cidadãos. Também pagam impostos. São contra o desperdício do dinheiro público. São contra o uso do dinheiro público para denegrir a imagem de uma categoria de servidores públicos e, consequentemente, do serviço público como um todo. Nós queremos a modernização e a simplificação da fiscalização na cidade de São Paulo. E isto é possível sem o emprego de um centavo. Sem o desperdício do dinheiro do povo. Como ??? Consolidação das Leis da Fiscalização Paulistana(CLFP). Ela simplificará o trabalho dos seus principais aplicadores e também a vida do contribuinte. Este só precisará consultar um dispositivo legal para saber dos seus direitos e deveres. A CLFP também simplificará o processo legislativo. Bastará ao legislador acrescentar, suprimir ou dar nova redação aos seus artigos, parágrafos, itens, alíneas. Faremos isso pelo povo de São Paulo. Elaboraremos o anteprojeto de lei da CLFP. Esperamos que os poderes legislativo e executivo também façam a sua parte. O povo fará a sua parte. Não nos limitaremos à confecção do anteprojeto. Faremos ampla campanha junto à população para sensibilizá-la da importância da CLFP no ordenamento do crescimento urbano e na humanização da cidade. Não mais seremos conduzidos. Conduziremos.”

(1) Luis Roberto Martins Barnabé é advogado, Agente Vistor no Município de São Paulo e Supervisor de Fiscalização da Subprefeitura de Sapopemba

Comentários

comentários