“Trabalhar” de domingo? E feliz?

19/09/2015 - símbolo da Hora Verde:
Domingo vou “trabalhar” feliz.

Enlouqueceu, loira? Claro que não?! Meu chefíssimo me incluiu na escala de plantão do final de semana. E sabe qual é a programação? Hora Verde!!!

Em São José do Rio Preto, SP, a Hora Verde vai acontecer na Cidade do Trânsito com o total apoio e empenho da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo, com as mudas sendo distribuídas em caixashttp://www.fiscaldeposturas.com.br/municipal/2015/09/17/fazendo-muito-com-pouco-loucos-entenderao/

Hora Verde

O Estado de São Paulo (AmbienteSP) propôs para o dia 21 de setembro de 2015, às 11h, que todos realizem simultaneamente plantios em suas cidades. Pela proposta, todos os que desejam participar devem informar pelo e-mail [email protected] para serem inclusos num mapa com a localização de onde acontecerá o plantio.

19/09/2015 - mapa da Hora Verde:
Link abaixo

(acesse o link https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=zCmzreJCGSZI.kgGV22SQKYtk).

O objetivo é provocar  reflexão sobre a necessidade da conservação e do aumento da cobertura vegetal em nosso Estado.

Os locais dos plantios são os mais diversos: áreas urbanas (ruas, praças, quintais, parques), matas ciliares, áreas rurais, unidades de conservação e quaisquer outras áreas onde o ato do plantio permita a reflexão sobre o papel da árvore para a biodiversidade, a água, o controle de erosão, o conforto térmico, a prevenção de doenças e outras contribuições relevantes para o bem-estar humano (1).

www.fiscaldeposturas.com.br também é cultura

Eu, “novidadeira”, fui olhar o que era a tal Hora Verde. Genteeeem, a data resgata uma contribuição histórica para a consciência ambiental.

Como não há mais oficialmente no Brasil o Dia da Árvore, mas, sim, a Semana da Árvore. O que antigamente era o Dia da Árvore por aqui ficou como a data de encerramento da Semana da Árvore.

Ao criar a Hora Verde, o Governo paulista, lá no site oficial, diz que a inspiração para este plantio simultâneo é a Hora do Planeta (Earth Hour)… eu acho, só acho, que tudo tem muito do Dia do Desafio (Challenge Day), só que na área ambiental (2 e 3).

Então, o encerramento da Semana da Árvore no Estado de São Paulo vai acontecer sob o mesmo espírito que fez da Festa das Árvores, realizada em Araras, SP, no dia 07 de junho de 1902, o marco zero na Educação Ambiental no Brasil.

E você sabe qual é este espírito, qual é a essência da Educação Ambiental?

É fazer com que todos compreendam os problemas que causamos ao ambiente e, portanto, nos cabe adotar práticas para solucionar estes problemas.

Acontece, que o objetivo da Educação Ambiental não é alcançado quando fica tudo na informação, na teoria, nos limites das salas de aula.

Só com a ativa participação é que a Educação Ambiental atinge o seu objetivo (viu só a importância da primeira Festa das Árvores, onde, pela primeira vez um governante de São Paulo plantou uma árvore num espaço público e junto com a população?).

É pelo exemplo que os adultos ensinam as crianças, é pelo exemplo que mais pessoas aderem à defesa do meio ambiente.

Vou e levo minha neta, no espírito da Hora Verde, juntas, exerceremos nossa cidadania.

História da Semana da Árvore no Brasil

Alberto Löfgren foi um botânico sueco que veio para o Brasil em 1874 e, por 44 anos, se dedicou a estudar a nossa flora, sendo pioneiro na pesquisa científica no país. Começou fazendo expedições nos Estados de Minas Gerais e de São Paulo e, depois, da Bahia, da Paraíba, de Pernambuco e do Ceará, gostava de fazer isto indo a pé, com pá, cavadeira e sacola nas costas. Foi professor e trabalhou como engenheiro de uma companhia de estradas de ferro em solo paulista.

No nordeste, convidado a pesquisar a influência da seca sobre o solo e a flora, objetivando a agricultura, dos seus estudos preliminares partiu para a criação várias Estações Florestais, que, já naquela época, eram espaços de conscientização ambiental com grandes viveiros para demonstração de experimentos e preservação de ervas. Destas pesquisas, surgiram vários Hortos Florestais em decorrência de programa de reflorestamento. Até com “Os Sertões” este botânico colaborou.

Em 1886, convidado a participar da Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo, que reuniu especialistas para dar bases científicas às políticas públicas de ocupação do solo paulista, acabou ajudando a criar e chefiar o que hoje conhecemos como o Serviço Meteorológico de São Paulo (divulgava boletins com deduções e confronto do que foi divulgado) e o Instituto Florestal. Das suas muitas atividades na comissão, chama a atenção seu destaque para a fundação do Museu Paulista (Museu do Ipiranga), que começou com a acolhida de um acervo particular de Botânica.

Se hoje a gente tem a criminalização da destruição de Áreas de Preservação Permanente, pode ter certeza que para isto contribuiu Löfgren, alertando para a crescente extinção das matas ciliares pelo fogo, as alterações do clima em razão da destruição das matas e a proposição de preservação de florestas nativas e criação de florestas artificiais. Até foi nomeado para chefiar a comissão da primeira tentativa (que não deu certo) de se fazer o nosso Código Florestal.

O pioneirismo de Alberto Löfgren tem seu ponto alto nas campanhas de conscientização ambiental que promoveu, contra a destruição sem método, pelo machado e pelo fogo. Como exemplo, ao mesmo tempo que condenava a cidadania exercida sem preocupações ambientais, Löfgren instigava o Poder Público a agir contra o desmatamento da Serra da Cantareira pelos carvoeiros e o crescente uso de lenha nas ferrovias.

Pioneiro também do jornalismo ambiental, Alberto Löfgren nas colunas dos jornais paulistas defendia a criação do Dia da Árvore, para estimular nas crianças o amor às plantas e nos adultos a ideia de proteção das florestas do Estado, plantando árvores um dia por ano a exemplo do Arbor Day dos Estados Unidos(4).

Tanto apregoou que em 07 de junho de 1902, promovida pelo engenheiro João Pedro Cardoso aconteceu a primeira “Festa das Árvores do Brasil”, em Araras, SP, com as mudas do Horto Florestal da Cantareira (o avô do Instituto Florestal, chefiado por Löfgren). Em Itabira, SP, no dia 03 de maio de 1903, também aconteceu semelhante “Festa das Árvores” (5).

um trem com o objetivo de chamar a atenção para o problema da devastação das matas saiu da Estação da Luz, em São Paulo, com destino a Araras, no interior do Estado. O trem levava várias autoridades e personalidades preocupadas com a relação entre produção e conservação florestal. Naquela época, com o advento da eletricidade, o consumo de lenha era considerável. A jornada ferroviária de 7 de junho de 1902 ficou conhecida como Festa das Árvores, a versão brasileira do norte-americano Arbor Day (6)

19/09/2015 - ata Festa das Árvores, em Araras, 1902:

Há uma lacuna entre os fatos de 1902/1903 e a a institucionalização das comemorações pelo Decreto 55.795, de 24 de fevereiro de 1965, que estabeleceu a Festa Anual das Árvores em todo o território nacional.

A Festa Anual das Árvores, entre a primeira que aconteceu e a sua inclusão no calendário oficial de Estado, jamais deixou de ser realizada, porém, não como comemoração oficial. Neste sentido

Frederico Carlos Hoehne, no artigo Primavera, a respeito da “Festa das Árvores”, no jornal A Gazeta, de 21-09-1946, dizia… Saudando as escolas públicas e particulares deste grande Estado, incitamos aos seus dirigentes e aos seus professores para usarem os privilégios que lhes ficam reservados na formação de mentalidades sadias e previdentes. Incutam no coração da juventude esta grande verdade e este grande aviso: ‘Constitui crime de lesa-pátria destruir aquilo que é útil e que não pode ser restaurado jamais’. Assim são as florestas virgens da nossa terra, estas matas milenárias que a natureza criou e dotou de recursos múltiplos para a ciência, arte, literatura e economia. Uma vez destruídas, não mais poderão ser restauradas com os mesmos elementos e os mesmos recursos… (7)

Muito embora o primeiro parque nacional só tenha surgido em 1937, em Itatiaia, a Festa das Árvores nunca deixou de ser comemorada, da mesma forma que a consciência sobre o papel da árvore na proteção das nascentes e do que hoje chamamos de biodiversidade viabilizou a construção do patrimônio florestal remanescente em São Paulo e no Brasil (8)

E, para acabar esta história, segue a explicação do IBAMA:

O que é a Festa Anual das Árvores?

É a atividade que por força do Decreto Federal 55.795, de 24 de fevereiro de 1965, substitui o anterior dia nacional da árvore que antes era comemorado todo dia 21 de setembro.

Por que foi feita a alteração do dia da árvore para a festa anual das árvores?

Considerando que no mês de setembro ocorre, nas regiões Norte e Nordeste, o auge do período de estiagem, diversos pesquisadores observaram a necessidade de regionalizar as comemorações do dia da árvore. Tal análise deve-se ao fato que o plantio realizado no mês de setembro não alcançava o resultado desejado, visto que em setembro (período de seca na região nordeste) não há disponibilidade suficiente de água para o crescimento das espécies arbóreas plantadas. Além deste fato foi verificado que um único dia não era suficiente para se fazer as diversas atividades relativas à sensibilização da importância da flora, bem como o seu plantio. Diante disso se estabeleceu no Brasil uma semana de atividades relacionadas às árvores.

Mas e o dia da árvore deixou de existir?

Sim, conforme disposto no Decreto Federal 55.795 que institucionalizou a Festa Anual das Árvores. Portanto, não devemos mais comemorar o dia da árvore, mas sim a semana. É importante ressaltar que nas regiões Norte e Nordeste, em função do regime das chuvas a Festa Anual das Árvores é comemorada na última semana do mês de março, enquanto nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste é comemorada na semana com início em 21 de setembro. Esta diferença de datas ocorre em função da maior intensidade das chuvas a partir do mês de março nas regiões Norte e Nordeste e já nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste as chuvas começam a partir do final de setembro. (9)

 


(1) para saber mais sobre Hora Verde http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/salaimprensa/home/imprensa_lenoticia.php?id=242484

(2) para saber sobre a Hora do Planeta http://www.wwf.org.br/participe/horadoplaneta/

(3) para saber sobre o Dia do Desafio http://www.sescrio.org.br/diadodesafio

(4) A Festa das Árvores foi ideia de um francês chamado Charles Fourier, no século XIX. Os Estados Unidos criaram uma comemoração semelhante, mais ou menos ao mesmo tempo. A iniciativa foi do jornalista e político J. Sterling Morton. Ele solicitou às autoridades do estado de Nebraska a criação de um feriado para o plantio de árvores. http://escola.britannica.com.br/article/487807/Dia-da-Arvore

(5) http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/115/rbg_1950_v12_n2.pdf e http://notopodacadeia.blogspot.com.br/2010/09/dia-da-arvore-no-instituto-florestal-de.html

(6) http://www.klickeducacao.com.br/bcoresp/bcorespmostra/0,5991,POR-6605-h,00.html

(7) http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-753X2005000100009&script=sci_arttext

(8) http://www.ambiente.sp.gov.br/blog/2002/09/19/saudacao-do-professor-goldemberg-no-centenario-da-festa-das-arvores/

(9) www.ibama.gov.br/phocadownload/category/14?download=307

Comentários

comentários