Conecte-se conosco

Banco de ideias

Sem Fiscal Recife vira um caos

Publicado

em

Fiscais de Atividades Urbanas de Recife, ocupando cargos de técnicos da Fiscalização de Controle Urbano, estão em campanha pela valorização da profissão. Vamos acompanhar?

A fan page Fiscais em Ação  já está acompanhando e divulgando:

“Banner feito pelos fiscais do Recife para divulgação na internet. Uma excelente ideia para ser multiplicada por todo Brasil, adaptada às atribuições e realidade de cada cidade. Pois como os Fiscais de Recife mesmo disseram, a maioria da população (isso em todas as cidades), têm uma visão errada do papel dos Fiscais. E nós Fiscais de Atividades Urbanas somos um dos elementos mais importantes na garantia dos direitos urbanos de cada município e temos um papel preponderante na aplicação do planejamento urbano. E precisamos saber divulgar isso!”

PREFEITO NÃO IGNORE SEUS FISCAIS DE CONTROLE URBANO! Chega de desvalorização e descaso.

Somos uma minoria mas uma minoria forte que carrega a responsabilidade de manter e garantir os direitos urbanos na cidade Recife

 

Compartilhar:

Facebook Comentários

Por opção, desde 2011, na Fiscalização de Posturas do Meio Ambiente e Urbanismo. Um ano na Fiscalização de Posturas de Serviços Gerais. Seis anos na Fiscalização de Posturas da Fazenda (Atividades Econômicas). Quase dezesseis anos na Fiscalização Tributária (ISS, IVC, Inter Vivos e taxas). Bacharel em Administração e Direito. Pós graduada em Gestão Ambiental. Fiscal de Posturas na Prefeitura de São José do Rio Preto/SP. Denominação do cargo atual: Agente Fiscal de Posturas, sinonímia Fiscal de Atividades Urbanas Coordenadora de departamento por oito anos, sendo dois anos na chefia de fiscalização.

Banco de ideias

Ideias impactantes para plotagem de viaturas fiscais

Publicado

em

De Cidade Ocidental, GO:

De Águas Lindas de Goiás, GO:

 

 

 

Compartilhar:

Facebook Comentários

Continue Lendo

Banco de ideias

Agefis DF: Projeto de Educação Fiscal relativa à Fiscalização de Posturas

Publicado

em

Antes de tudo, PARABÉNS, Agefis DF!!!

Quando se fala em educação fiscal, são comuns as ações dirigidas à educação fiscal tributária. São honrosas exceções as ações de educação fiscal relativas à Fiscalização de Atividades Urbanas. Do que se vê por aí, existem algumas ações focadas  em apenas uma ou outra das atribuições fiscais: meio ambiente, sanitária, direitos do consumidor ou trânsito.

Acontece que o FAU é mais do que Fiscal do Meio Ambiente, Fiscal da Vigilância Sanitária, Fiscal do Procon ou Fiscal do Trânsito. Fiscal de Atividades Urbanas é o Fiscal da Cidade. Sem FAU, o Poder Público não pode ser o mediador na harmonização de direitos na urbe. Sem FAU, não existe a composição de interesses particulares na convivência urbana. Sem FAU, na cidade só há o caos!

No entanto, a cidade não sabe quem é o FAU. “- Sou Fiscal de Posturas.” / “-Fiscal do quê?”; “-Sou Fiscal de Atividades Urbanas.” / “-E o que você fiscaliza?”.

Assim, mesmo exercendo atividade de Estado essencial para a vida dos cidadãos, somos ou parcialmente conhecidos ou solenemente desconhecidos. Aí, na rua, quando chega o Fiscal, não é difícil compreender porque sua autoridade é tão questionada. “-Não te conheço! Por que ter respeito?”.

Não erro, se afirmo que nos falta VISIBILIDADE. E, por onde começar?

Sugestão: pela educação das futuras gerações. Sabendo que é entre os 9 e 11 anos que os temas ligados à cidadania formam eixo transversal no ensino fundamental, com certeza é no 5º ano que a geração de futuros cidadãos estão (ou deveriam estar) preparados para compreender que cuidar da cidade é um bem para todos.

Neste sentido, a Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis DF), por meio de seu núcleo de estudos (reverências à Ana Paula Paranhos, Auditora Fiscal), propôs à Secretaria de Estado de Educação do DF (SEEDF) um projeto educativo preventivo para alunos do 5º ano do ensino fundamental.

O principal mérito do projeto educativo proposto pela Agefis DF é mostrar o FAU na sua totalidade, com todas as atribuições de sua competência. Leiam a notícia que encontrei sobre o projeto:

Projeto da Agefis forma fiscais mirins – 18/05/2018

Nesta quarta-feira (16), cerca de 25 estudantes do 5° ano da Escola Classe 45 de Taguatinga receberem a visita de servidores da Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis). O encontro é resultado da parceria da Agefis com a Secretaria de Estado de Educação do DF (SEEDF) e busca fornecer informações sobre a atuação da agência para conscientizar e sensibilizar a comunidade das escolas públicas do DF.O projeto educativo preventivo é voltado apenas paras os alunos do 5º ano, uma vez que é nesse momento que os jovens recebem de maneira mais incisiva conteúdos ligados à cidadania. Até o momento, seis unidades de ensino público do DF já receberam a palestra da Agefis – três de Taguatinga e mais três de Ceilândia. Em novembro de 2017, quanto nasceu o programa, o local escolhido para ser o piloto da iniciativa foi a Escola Classe 1 do Incra 8, em Brazlândia. “Na primeira escola, os meninos já queriam fazer parte da Agefis. A receptividade tem sido excelente”, lembra a auditora fiscal Ana Paula Paranhos.
O trabalho começa com uma brincadeira, uma espécie de bingo. No jogo, os estudantes entrevistam quatro colegas de classe para identificar o que cada um gosta e não gosta na cidade. Muitos revelaram apreciar praças e parques, mas a maioria concordou que o lixo nas ruas é uma das coisas que mais desagrada. A partir dessa atividade, a agência aborda outros assuntos. “Na escola, observamos se há coleta seletiva. Caso não tenha, já fazemos a proposta de mudança dentro da sala de aula. Dessa forma, incentivamos o estudante a ser um multiplicador na comunidade”, explica a servidora da Agefis.
A cidadania e os temas que a permeiam como direitos e deveres, noções de limite social, equidade e do que se pode ou não se pode fazer, respeitando o espaço do próximo e os espaços públicos, também integram tudo o que é ensinado em sala de aula no dia a dia e ganham reforço com as palestras ministradas pela Agefis. Entre os temáticas trabalhadas estão as atribuições e contribuições da agência como o combate ao comércio irregular, à construções irregulares e à grilagem de terras públicas, bem como a retirada de entulhos e lixo descartados em locais indevidos, acessibilidade, verificação de faixas e placas instaladas em locais públicos, monitoramento do DF com uso de drones, a apresentação do aplicativo da agência para denúncias e a desobstrução da orla do Lago Paranoá.
Os pequenos ainda aprenderam como deve ser feito a separação dos lixos seco e orgânico, e descarte de resíduos especiais (pneus, lâmpadas fluorescentes, medicamentos, entre outros).
Durante a palestra, foram mostradas fotos de locais com lixo espalhado próximo às escolas. Imediatamente a plateia interessada identificou a região. Miguel Souza, de 9 anos, já sabe o que fazer para contribuir com a comunidade, “ajudo a todos e ao meio ambiente catando o lixo da rua”, disparou o jovem multiplicador.
Para a professora Deane Cardoso, a visita da Agefis veio para somar. “Aproveitamos diversos assuntos que já tratamos em sala de aula como a questão do meio ambiente, ecologia, reciclagem, cidadania, o próprio contexto da cidade de Taguatinga e do DF como um todo. Conseguimos, inclusive, levar para os alunos tópicos como impostos e ocupação de terras de uma forma interdisciplinar e também na produção de textos”, atesta a educadora.
Ao final, todos os participantes receberam o certificado e distintivo de fiscal mirim da EC 45 de Taguatinga. Ícaro de Oliveira sabe o que fazer agora que também se tornou um fiscal. “Aprendi que tem que separar o lixo orgânico e o seco. Que não pode construir casa irregular e, se construir, vai pagar multa. Agora vou ver onde vai ter lixo e ver se tem casa irregular”, avisa o estudante de 9 anos. Pedro Augusto, 10 anos, tem consciência que a natureza é importante e deve ser preservada, para isso o recado do garoto é claro: jogar lixo no lixo e ajudar aos amigos. Vou ficar de olho nas construções que não tem autorização”, garantiu o aluno do 5° ano.
O próximo passo do Agefis nas Escolas será percorrer 13 escolas classes de Brazlândia que demonstraram interesse em receber as orientações.” 
(fonte: http://www.jornalmangueiral.com.br/2018/05/projeto-da-agefis-forma-fiscais-mirins.html)

O projeto é sensacional!

Recentemente, em contato com Henrique R. dos S. Arruda, Fiscal de Posturas de Tijucas do Sul, PR, recebi a notícia que este projeto poderá ser aplicado naquela cidade, por colaboração da Agefis DF e apoio de Ana Paula Paranhos.

Vou colocar o material aqui para que vocês tirem as próprias conclusões e, se inspirando, entrem em contato com a Agefis DF. Creio que o uso do material deva ser solicitado à Agefis DF, que, com certeza, apoiará seu uso em vossas cidades.


Documentação – Plano de Trabalho

PLANO DE TRABALHO-SEEDF-AGEFIS-VersãoFinal11.7


Flyer de Lançamento do projeto Agefis nas escolas


Apresentação Agefis nas escolas

https://youtu.be/Z_dThv93ECg

Texto em pdf: Apresentação Agefis nas Escolas Final


Distintivos para Fiscais Mirins e Certificado de Participação

 

Compartilhar:

Facebook Comentários

Continue Lendo

Banco de ideias

Manual de Fiscalização dos Licenciamentos

Publicado

em

 

DOWNLOAD

 

Compartilhar:

Facebook Comentários

Continue Lendo

Em Alta